domingo, 26 de setembro de 2010

Mais do mesmo e a credibilidade da imprensa do vinho

A liberdade de expressão e o papel da imprensa estão sendo amplamente debatidos por conta das últimas declarações do presidente Lula e das eleições que se aproximam. O que vejo nas páginas de política me chama a atenção para um fenômeno que tem me incomodado nos últimos meses: a dúvida sobre a imparcialidade, a criatividade e a honestidade da imprensa especializada em vinhos.

Aqui, coloco também os blogueiros que se auto-intitulam jornalistas, muitos dos quais nunca passaram nem perto de uma faculdade de jornalismo. Mas não é a questão acadêmica que me incomoda, e sim a convivência promíscula entre a suposta imparcialidade jornalística e o marketing escancarado a serviço de produtores e importadores.

É claro que tanto a imprensa quanto blogueiros em geral podem e devem falar bem (ou mal) de vinhos, produtores, lojas e importadores. O que me incomoda é a obviedade do que tenho lido diariamente em revistas, jornais e sites especializados: a repercussão de eventos "boca-livre" patrocinados por empresários do vinho. Quando sei que uma importadora promoverá uma degustação para jornalista e formadores de opinião, já não tenho dúvidas de que, no dia seguinte, lerei dezenas e dezenas de textos iguais, quase cópias dos releases e convites, sobre o sucesso desse ou daquele vinho.

Tudo muito previsível, sem criatividade ou opinião pessoal. E muito compromisso com o promotor do evento, que é sempre enaltecido pelos convidados, nem sempre tão comprometidos em repercutir o que é bom de verdade ou o que realmente é muito ruim. Muitas vezes apenas preocupados em fazer a contrapartida e dar a "notícia" que não traz nada de novo ou de bom para quem procura informar-se sobre vinho.

Não tenho nada contra eventos para divulgação de novos produtos. Mas não acho saudável e nem produtivo que a mídia especializada limite-se a bajular quem promove esse tipo de evento. Sinto falta de avaliações e descobertas de verdade. Sinto falta de gente que garimpa e fala do que não é falado ou vendido pelo marketing da indústria vitivinícola. Leio diaramente publicações e blogs sobre vinhos à procura de novidades, mas no geral leio mais do mesmo. E quase sempre desconfio, pois não vejo verdade ou motivação especial em se falar bem ou mal de um rótulo.

Acho que a imprensa especializada e os formadores de opinião, se é que eles existem, deveriam repensar se querem ter credibilidade e contribuir para a evolução do consumo do vinho de qualidade no país ou se preferem se acomodar nos braços de produtores e importadores que só pensam em empurrar seus produtos para consumidores desinformados e, por que não dizer, traídos por quem deveria orientá-los.

4 comentários:

Anônimo disse...

Paulo,

mais um artigo no qual vc põe "o dedo na ferida". Só vou te dizer uma coisa: por isso que pontuo todos os vinhos que degusto. Dessa pontuação o leitor poderá inferir se o vinho é bom ou não. Tem produtor/importador que reclama, mas prefiro fazer isso do que simplesmente dizer que o vinho é bom. É preciso sair da mesmice!

abraço


Jeriel

Paulo Sampaio disse...

Jeriel, esse é o ponto. Como eu disse, não tenho nada contra os eventos de divulgação, mas me incomoda ver apenas a réplica do que as importadoras dizem.

Acho que o papel de quem escreve sobre vinhos é buscar a informação, e não sentar a bunda na cadeira e esperar o convite de um vendedor ávido por divulgação.

No seu blog, você conta suas viagens e aventuras, suas percepções, e agrega conhecimento para o leitor. Mas infelizmente a regra é dar visibilidade a quem patrocina enoeventos...

Vivendo a vida disse...

Paulo,


Li com muita atenção seu post.
Acho que todos que falam de vinho, jornalistas e blogueiros tem que ter o maior cuidado realmente para não trair a si mesmo. Falar sempre a verdade sobre os vinhos degustados, mesmo sabendo que vinho é uma opinião pessoal, o que é bom para mim pode não ser para o outro. Agora se as importadoras não patrocinarem as degustações ai que ficaremos sem referencia ao investir em uma garrafa. Sobre o trabalho de garimpo me alertou, acho que poucos ou quase ninguém que escreve sobre o tema fala ou faz o garimpo, que é muito importante.

Em todos os meios tem o correto e o errado, observando como falou verá a diferença.
Acho a sua critica muito construtiva, quem prestar atenção colhera bons frutos.
Parabéns pela iniciativa.

Abs e saúde

www.vivendoavida.net

Silvestre

Paulo Sampaio disse...

Silvestre, eu acho muito saudável esses eventos. Ninguém melhor do que as lojas e importadoras para diulgar descobertas.

O que eu questiono - e espero que todos entendam isso - é o comodismo da imprensa. E, aqui, não falo apenas do vinho. Sou jornalista e sei o quão cômodo é receber um release e apenas divulgá-lo travestido de matéria.

Hoje, li um post de um colega nosso denunciando plágio. Parece que outro blog copia e publica seus textos, sem dar o crédito da fonte.

Olha só para onde estamos caminhando... Como você bem disse, vale como alerta.