domingo, 5 de agosto de 2007

Ouça, leia, beba!

Faço parte de uma comunidade de vinhos na internet e, nos últimos meses, tenho recebido um número grande de mensagens pedindo dicas de como aprender sobre o assunto. Eu costumo dar uma “resposta-padrão”, pois, apesar de ainda ser um iniciante nesse mundo, já encontrei alguns caminhos para que, um dia, eu realmente seja “íntimo” do néctar de Bacco.

A primeira dica é procurar mais informações sobre vinhos em cursos sobre o assunto. O da Sbav de São Paulo (http://www.sbav-sp.com.br/) é ótimo, pois abre as portas para esse mundo, mostrando para o leigo que beber e “entender” de vinhos não é algo para “seres especiais” – basta gostar de vinho e se dedicar um pouco aos “estudos”.

Outra sugestão que costumo dar é ler sobre o assunto. Há uma infinidade de livros “ligeiros” e até verdadeiras bíblias sobre vinhos, que podem sintetizar a teoria sobre o assunto e ser fonte para consulta no dia-a-dia. Há também revistas periódicas, que são excelentes para atualizar o enófilo – aquele que ama o vinho – sobre novos produtos, safras, tendências etc.

A última e mais importante dica – na verdade, é mais do que isso, é uma obrigação – é a degustação do vinho. Não adianta fazer cursos e ler sobre vinhos se o aprendiz não beber muito. Não de uma vez, é claro. Mas é preciso experimentar os vinhos e tentar cruzar o que se percebe na degustação com o que se encontra na teoria dos livros, das revistas, dos cursos e das palestras. O ideal, na minha opinião, é beber em companhia de pessoas que também apreciam vinho, se possível que já estejam nesse mundo há mais tempo do que você. Dividir experiências com outras pessoas é essencial.

Por fim, aconselho que todo mundo que gosta de vinhos forme uma confraria. É muito simples: reúna amigos (no máximo 8 ou 10) que gostem de vinho tanto quanto você e organize os encontros. É importante estabelecer algumas regras, como formato das degustações – locais, periodicidade dos encontros e como serão estabelecidos os temas. Dê um nome para a confraria. Sugiro também que os encontros sejam sempre na casa de um dos participantes ou em restaurantes com locais adequados para esse tipo de reunião – sem odores da cozinha, sem barulho e com mesas grandes para apoiar a grande quantidade de taças (apropriadas) que se usam nesses eventos – uma para cada vinho, sempre!

Sobre os temas, as possibilidades são inúmeras: tipo de uva, país, região, tipo de vinho e até produtor. Também é possível sofisticar um pouco mais e fazer degustações com foco em harmonização; estabelece-se um prato, e os vinhos escolhidos devem harmonizar com ele. Cada participante ou cada dupla (casal, por exemplo) leva uma garrafa. Dessa forma, é possível provar diferentes vinhos sem ter de pagar uma fortuna por isso. Aliás, pode-se começar com vinhos mais simlpes (nunca ruins!), de forma que a evolução do desembolso evolua com a evolução do paladar. É importante que esses encontros não virem apenas uma reunião de amigos.

Deve-se lembrar que o que reúne o grupo em torno da mesa é o vinho. Portanto, é essencial dar atenção a ele. Eu costumo anotar minhas impressões sobre cada garrafa em uma ficha de avaliação, que inclui percepções sobre o “visual do vinho” (brilho, cor, lágrimas na taça), sobre os seus aromas e, é claro, sobre as sensações da bebida na boca. Quem assim desejar também pode pontuar cada vinho – há inúmeras escalas de pontuação, sendo a mais comum e difundida a de 100 pontos.

Reforço o que disse no texto O vinho e o tempo: não adianta ter pressa! Para conhecer o mundo de Bacco e realmente aprender a degustar o vinho de forma mais técnica, é fundamental beber, beber e beber muito. E isso leva tempo – não adianta beber tudo de uma vez só!

4 comentários:

Flavinha disse...

Morro de vontade de formar uma confraria, mas não tenho amigos que gostem de vinho em número suficiente para formar uma... Triste!

Michelle Camilo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Michelle Camilo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Michelle Camilo disse...

DICA!
www.sociedadedamesa.com.br
clube de vinhos, conceito inovador.
Vale a pena experimentar!
Comodidade para degustar vinhos interessantes.

Editam um informativo super criativo, que fala sobre o amplo mundo do vinho.
Confraria entusiasta Flavinha, deste jeito dá sim para aperfeiçoar.
Chame seus amigos, familiares e degustem!