segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Espumantes para os dias e noites quentes que vêm por aí

Final de ano é época de beber espumante. No Brasil, o calor do verão é uma razão a mais para que isso aconteça e para que a bebida não seja consumida apenas nas comemorações do Ano Novo. Eu, por exemplo, faço estoque, pois o calor vai longe e bons espumantes são o melhor que podemos beber, seja na praia, seja aqui em São Paulo mesmo.

Geralmente coloco parte das garrafas na adega e parte na geladeira, para facilitar as coisas. Chegar em casa após o trabalho, numa noite quente, e ter de esperar o vinho atingir os 6ºC pode ser desesperador... Melhor deixar as garrafas do "dia-a-dia" prontas para o abate! Boas opções para essas ocasiões mais cotidianas são o Casa Valduga Arte Brut e o Dal Pizzol Brut Rosé. Ambos na faixa de R$ 25 a R$ 30 - vale comprar em maior quantidade ou direto dos produtores para pagar menos.

Já numa faixa acima, que vai de R$ 35 a R$ 70, geralmente opto por estes: Cave Geisse Brut, Casa Valduda 130Adolfo Lona Brut Champenoise, Miolo Millésime e Dal Pizzol Brut Champenoise. Entre os rosés, opto pelo bom portugês Filipa Pato 3B. Todos são muito legais e podem ser encontrados em casas especializadas, supermercados e sites na internet.

Para quem quer investir um pouco mais - algo entre R$ 150 e R$ 200 -, recomendo os champanhes Piper-Reidsieck Brut e Deutz Brut, que estão na faixa de preço dos champanhes mais manjados do mercado brasileiro, mas têm qualidade superior. Entre os franciacorta, recomendo o bom e velho Cuvée Prestige Cà del Bosco.

Mas se você quer experimentar algo diferente e sair do lugar-comum, duas experiências recentes me chamaram a atenção: o australiano Bridgewater Mill (Petaluma Wines), vendido pela Wine Society, e o húngaro Hungaria Grand Cuvée Brut (Törley), importado pelo Empório Húngaro. Ambos a menos de R$ 100 e muito interessantes.

Estas são as minhas dicas para encarar o calor sem ter de abrir mão de um bom vinho.

6 comentários:

alexandre alves disse...

Paulo,
Boas dicas. Senti falta apenas do Salton Evidence , na minha opiniao um dos melhores nacionais.
Abs,
Ale

Paulo Sampaio disse...

Alexandre, sabe que eu já experimentei o Evidence várias vezes e ele nunca me convenceu? Sempre me decepcionei com ele. Em tese está no mesmo nível dos que listei entre R$ 35 e R$ 70, mas quando bebo sempre tenho a impressão de que é um degrau abaixo na qualidade, apesar do preço. Pode ser questão de gosto...

Lívia disse...

Oi Paulo!! Sou a Lívia, que comentou no post antigo do Lambrusco, rs! Entrei nos sites que vc me passou, em um deles eu já tinha caido acidentalmente qdo pesquisava o preço do Casa Valduga... foi ai que eu descobri que a média de preço em outros estados era mais baixa... Paulo, conversei com a minha cerimonialista e ela me decepcionou... falou que eu tenho que servir espumantes meio doces, pois os bruts o povo simplesmente não gosta! É aquilo que vc disse no tópico do lambrusco! hehe! Bom, eu odeio os doces, e no meu casamento vai ter coqueteis, então não dei ouvido à ela, quem não gosta de brut toma coquetel e pronto, né? Mas falei do preço do Casa Valduga aqui em BH pra ela, e ela me disse o seguinte... o Conde de Foucauld tem boa aceitação e preço mais acessível. O que vc acha do Conde? Aqui eu consigo a R$14,90 a garaffa! Obrigada!!

Paulo Sampaio disse...

Livia, sua cerimonialista está exagerando ao dizer que ninguém gosta de espumante brut. O fato é que quem está menos habituado a beber espumantes pode preferir o mais adocicado - mas não e regra.

Vamos lembrar que a cada dia mais gente bebe vinho e, portanto, esse cenário que a sua cerimonialista colocou está mudando. Além disso, não é porque há gente que gosta de vinho demi-sec que você o servirá com canapés salgados. Seria nivelar por baixo, fazer o menos recomendado porque algumas pessoas preferem espumante demi-sec. Tenho ido a vários casamentos e faz tempo que não vejo servirem demi-sec no coquetel ou no jantar.

Por fim, o Conde de Foucald é bem simplório. Ela te recomendou porque o demi-sec deles é tão sem graça quanto qualquer outro na mesma faixa de preço. Mas se você for de brut e se preocupar com qualidade, aí fuja desse vinho. Se é para gastar o mínimo mantendo qualidade, coloque pelo menos o Salton Reserva Ouro. Mas eu ainda acho que o Valduga Arte é o melhor custo-benefício.

Lívia disse...

Mais uma vez obrigada, Paulo!! O Salton Reserva Ouro aqui em BH é o mesmo preço do Casa Valduga, e sendo assim, eu prefiro o segundo! Vou entrar em contato com o distribuidor do Casa Valduga e verificar o desconto que ele oferece para casamento. Feliz 2012 para vc, e mais sucesso no blog! Beijos

Jonnys Tremarin disse...

Excelentes dicas,Paulo.

Acho que você deve já ter provado os espumantes da Valmarino,vinícola familiar de Pinto Bandeira que agora tem indicação de proscedência.Estão
muito bons e custam de R$26 a R$32,00.Vale visitar o site www.valmarino.com.br,eles entregam em todo o Brasil.Grande abraço
Jonnys